sábado, 1 de novembro de 1997

“Utopia tropical"

1997-11
LACERDA, Rodrigo, “Utopia tropical — O feitiço da ilha do Pavão, novo romance de João Ubaldo Ribeiro, assinala um processo de isolamento geográfico e estilístico do escritor, que encontrou na fantasia e na linguagem barroca a melhor forma de preservar um universo de riso e luxúria”, Revista CULT, nov. 1997, p. 32-39.

RL: “Talvez como reação a isso — e se não o é, bem poderia ser — João Ubaldo se recuse a pensar alto sobre seus livros. Aliás, ele nega-se a fazê-lo em qualquer circunstância, mesmo com seus próprios botões. Quando perguntado por que está tão distante do estilo dito contemporâneo de escrita, ele não hesita em responder: ‘Não faço a menor ideia’. Ou, quando caracteriza seu processo criativo, ele diz: ‘Eu só sento e escrevo. Escolho o título, ponho no papel, e aí continuo, ponho a dedicatória, a epígrafe e começo: Capítulo 1’. Se, no futuro, algum mestrando em teoria literária quiser fazer uma tese sobre sua obra, vai matar o escritor de aflição. Ele é daqueles que não suportam racionalizar sobre o que escreve. Além de negar qualquer planejamento antes e durante a escrita, em sua opinião também ‘o leitor é um mistério’ e a experiência da leitura idem, por consequência, o que inviabiliza qualquer teorização”.

Nenhum comentário: